Umicore aponta dicas para manter a eficiência do catalisador nos caminhões pesados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Umicore aponta dicas para manter a eficiência do catalisador nos caminhões pesados.

Detalhe da localização do catalisador

Segmento de caminhões pesados tem apresentado crescimento impulsionado pelo aumento de outros setores da economia. Manter a eficiência do catalisador nesses veículos é fundamental para transportar mais e poluir menos.

De acordo com os dados divulgados pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), nos sete meses do ano, as vendas de caminhões pesados no Brasil registraram um aumento de 50,2% sobre as vendas do mesmo período de 2020. Com esse crescimento, a frota de caminhões pesados do país enfrenta um desafio de transportar mais e poluir cada vez menos.

Em razão disso, a Umicore, empresa especialista em tecnologias para redução de emissões tóxicas e uma das principais fabricantes de catalisadores automotivos do mundo, aponta oito dicas de como manter a eficiência do catalisador nos veículos pesados, que impacta diretamente no consumo de combustível e no controle da emissão de gases poluentes dos veículos.

• Sobre a diminuição da emissão de gases poluentes

Atualmente, os caminhões produzidos devem atender aos limites de emissões de gases de exaustão regulados pela legislação P7 – (PROCONVE PESADOS 7). O sistema de pós-tratamento pode ter diferentes configurações conforme

Sistema com catalisador de oxidação (DOC): para reduzir as emissões de HC, hidrocarbonetos (diesel não queimado), e CO, monóxido de carbono (queima incompleta do diesel). Esse sistema pode conter ainda um filtro catalisado (cDPF) para reter e converter o material particulado (fuligem) em CO2 (dióxido de carbono). Nesse sistema, é necessário ter o EGR (sistema de retorno parcial dos gases de exaustão para o motor) para reduzir as emissões de óxidos de nitrogênio, NOx, gerado no motor.

Sistema com catalisador de redução seletiva (SCR): para reduzir as emissões de NOx. Nesse sistema de pós-tratamento é necessária a dosagem de uma solução aquosa de ureia a 32% (ARLA32), para que, em contato com a temperatura de exaustão, possa gerar amônia (NH3) que reagirá com o NOx, reduzindo sua concentração no gás de exaustão. O excedente de NH3 é oxidado no catalisador ASC (catalisador de oxidação de amônia) instalado logo após o SCR. Devido a calibração do motor a utilização de DOC e cDPF não é necessária.

• Sobre a troca dos catalisadores: não é necessário realizar a troca do catalisador, desde que as manutenções sejam efetuadas conforme manual do veículo e, também, desde que sejam utilizados diesel S10 e ARLA-32 – quando aplicado – de boa qualidade. O catalisador ou sistema de pós-tratamento pode apresentar uma vida útil semelhante ou igual a vida útil do próprio caminhão. Ainda assim, é esperado que os catalisadores apresentem uma vida útil mínima de 160.000km a 500.000km, conforme a categoria do veículo ou peso total bruto (PTB).

• Sobre as principais causas de danos ao catalisador de caminhões: utilização de diesel inadequado, uso de ARLA-32 adulterada ou falsificada quando o caminhão é equipado com SCR, e falta de manutenção preventiva conforme indicado no manual do veículo.

• Sobre os sinais para identificar o mal funcionamento do catalisador: quando o catalisador apresentar alguma anomalia que interfira na sua eficiência, deve-se observar o aviso no painel do veículo indicando mal funcionamento e perda de potência do motor, além do consequente aumento na emissão dos gases poluentes.

• Sobre reparo no catalisador: nenhum processo é comprovadamente eficiente para reparar o catalisador. Uma vez danificado, ele precisa ser substituído. Além disso, na troca, é necessário realizar uma verificação preventiva no motor, para evitar que a peça trocada será danifica de novo.

• Sobre limpeza do catalisador: a limpeza do catalisador só deve ser realizada com equipamentos e materiais adequados, por empresas especializadas que possam garantir o serviço. Há sempre o risco de materiais e processos inadequados comprometerem a função catalítica. Adicionalmente, o uso correto de diesel e ARLA32, de boa origem e de qualidade, somado à correta manutenção indicada pelo manual do proprietário podem evitar qualquer tipo de manutenção no catalisador, o que, de fato, não é previsto pelo fabricante do veículo.

• Sobre a atuação do catalisador na performance do motor do caminhão: é um mito a ideia de que o catalisador impacta a performance do motor. Os veículos foram projetados e desenvolvidos considerando a presença do catalisador para preservação do meio ambiente. Sua remoção sim, afeta a performance do motor e prejudica muito o meio ambiente.

• Sobre veículos pesados que circulam sem catalisador no Brasil: retirar e não substituir o catalisador do caminhão é crime de trânsito, pois o veículo terá sua configuração original alterada. O ato também configura crime ambiental, pois o veículo poluirá o meio ambiente, o que é passível de multa e apreensão do veículo.

“O catalisador é uma das peças mais ‘verdes’ e amiga do meio ambiente no veículo. O uso de combustível adulterado e óleos lubrificantes inadequados ou de má procedência são fatores que podem comprometer sua eficiência e durabilidade. O mais importante para manter sua eficiência nos caminhões pesados é usar exclusivamente o diesel S10 e ARLA-32 de qualidade. Além disso, é fundamental realizar todas as revisões e manutenções preventivas indicadas no manual do veículo. Observando as catástrofes naturais em todo mundo (enchentes e incêndios em todos os continentes) ninguém pode se isentar da responsabilidade de sua contribuição individual para a deterioração do meio ambiente”, destaca Stephan Blumrich, vice-presidente e diretor da Umicore.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

x

Assine já EaeMáquinas​

R$60,00 /ano

ASSINAR AGORA!

Sobre Nós

A Revista EaeMáquinas, de circulação bimestral, é o melhor guia de compras do setor de máquinas; relacionando as empresas, revendas e distribuidoras de equipamentos, peças, prestadores de serviços e notícias relacionadas ao mercado.

Contato: [email protected] — Tel.:11- 4604-8046

Siga-nos

Deixe seu Email para acompanhar as novidades

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!