Especialista aponta princípios básicos de segurança em máquinas industriais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

De acordo com dados da plataforma SmartLab, o grupo Máquinas e Equipamentos representa 14% do total de todos os acidentes ocorridos em ambiente de produção. O indicador refere-se ao ano de 2018, quando foram registradas mais de 65 mil ocorrências.

Muitos destes acidentes poderiam ser evitados, caso princípios básicos de segurança relacionados à operação destes equipamentos tivessem sido considerados. O especialista de NR12 e consultor de segurança da multinacional Schmersal, José Amauri Martins, aborda três aspectos fundamentais: normas, análise de riscos e dispositivos de proteção.

Normas

Pode parecer um tanto óbvio, mas seguir as normas é a recomendação inicial mais importante. A mais conhecida delas é a Norma Regulamentadora Nº12, ou NR12, que é totalmente dedicada à segurança no trabalho em máquinas e equipamentos. Elaborada pelo Ministério do Trabalho e Emprego em 1978, sua versão mais significativa foi revisada e está em vigor no país desde 2010, sendo que em 2019 trouxe as últimas atualizações. A NR12 e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores, ou seja, a norma indica o que deve ser feito em máquinas e equipamentos usados para torná-los seguros e como projetar uma máquina nova, assegurando um perfeito funcionamento da mesma e garantindo a segurança do operador, evitando riscos de acidentes no trabalho.

É importante ressaltar que, quando se fala em adequação de máquinas e equipamentos de acordo com a NR12, deve-se entender que foi baseada em normas técnicas nacionais (ABNT NBR), internacionais (ISO e IEC) e normas regionais (EN), que são as normas da comunidade europeia.

“Importante considerar que a Norma Regulatória, como a NR12, atualmente sob a tutela do da Secretaria de Inspeção do Trabalho (Ministério da Economia), tem força de lei e é obrigatório o cumprimento. Adicionalmente, há as Normas Técnicas Oficiais, que no Brasil são editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), cujo caráter é orientativo, mas que são tão importantes quanto. Especialmente para máquinas e equipamentos, há um conjunto de normas técnicas oficiais, conhecidas como tipos A, B e C, que definem uma série de parâmetros, desde princípios de concepção de projetos a aspectos e dispositivos particulares de segurança até prescrições detalhadas de segurança aplicáveis a uma máquina ou a um grupo de máquinas”, frisa Martins.

Análise de Riscos

análise de riscos é o item principal e necessário apontado na NR12 para se implementar segurança em máquinas em operação, independentemente da sua origem e período de fabricação, ou no momento que o fabricante executar seu projeto. Muitas vezes, a análise de risco é questionada ou interpretada de maneira equivocada.

A norma técnica que rege a apreciação e redução de riscos é a “ABNT NBR ISO 12100 – 2013 – Segurança de máquinas – Princípios gerais de projeto – Apreciação e redução de riscos”. Há todo um processo sequencial a ser observado, como definir o limite da máquina, não só físico, mas também em termos de capacidade produtiva e número de pessoas que vão operar; O segundo passo é identificar os perigos, que podem ser mecânicos, térmicos ou elétricos, por exemplo. A partir deste mapeamento, identificar os riscos, por exemplo, no caso do mecânico, a consequência pode ser um esmagamento ou perfuração, no caso do elétrico, a consequência pode ser queima e assim por diante. Uma vez estimar os riscos, é hora de calculá-los.

Entre os métodos de se estimar os riscos em máquinas, o mais frequentemente utilizado para se quantificar e graduar o nível de risco é o método HRN (Hazard Rating Number), também conhecido como, Número de Avaliação de Perigos. Este método classifica um risco de modo a se ter a noção se este é aceitável ou não. O método HRN tem grande eficácia pois, a partir de um risco identificado, relacionado ao perigo considerado, tem-se uma função da gravidade do dano com a probabilidade de ocorrência deste mesmo dano para um dado número de trabalhadores expostos.

“Vale observar que a análise, apreciação e redução dos riscos tem de ser feita por especialista o engenheiro e deve emitir a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), instrumento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) no qual o engenheiro se responsabiliza pelos dados obtidos e pelo apontamento das adequações necessárias. Com a elaboração da documentação da análise de riscos, o engenheiro assume as responsabilidades técnicas, respondendo juridicamente por possíveis falhas que venham a ocorrer na adequação de segurança”, acrescenta o especialista.

Dispositivos de proteção

Para garantir a integridade física e a saúde dos trabalhadores na indústria, a NR12 torna obrigatório o uso de dispositivos e sistemas de proteção em máquinas e equipamentos. Esses componentes trabalham por si só ou interligados, ou ainda associados a proteções, e reduzem os riscos de acidentes.

Os dispositivos de segurança estão divididos basicamente em cinco grupos:

– os comandos elétricos ou interfaces de segurança, que atuam monitorando o funcionamento e impedem ocorrência de falhas, conhecidos como relés e controladores de segurança, usados em tornos, fresas, prensas, entre outros;

– os dispositivos de intertravamento, também conhecidos como chaves de segurança ou sensores magnéticos, para proteções móveis, como portas basculantes, corrediças ou pivotantes, e são utilizados para indicar e garantir que as proteções estejam posicionadas no local correto em uma máquina ou equipamento;

– os sensores de segurança, que são dispositivos detectores de presença (AOPD) que forçam a interrupção ou impedem o início de funções perigosas, como cortinas e grades de luz para monitorar áreas de risco através de feixes de luz infravermelha entre emissor e receptor.

– as proteções mecânicas, que são dispositivos mecânicos para perímetro e de mitigação de riscos, como limitadores e separadores.

– os periféricos, que são produtos para complementar o sistema de segurança de máquinas, como tapetes, batentes, calços de segurança, pedaleiras, entre outros.

Para mais informações: https://www.schmersal.com.br/

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

x

Assine já EaeMáquinas​

R$60,00 /ano

ASSINAR AGORA!

Sobre Nós

A Revista EaeMáquinas, de circulação bimestral, é o melhor guia de compras do setor de máquinas; relacionando as empresas, revendas e distribuidoras de equipamentos, peças, prestadores de serviços e notícias relacionadas ao mercado.

Contato: [email protected] — Tel.:11- 4604-8046

Siga-nos

Deixe seu Email para acompanhar as novidades

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!